Novo Hyundai i20: Apontado à liderança do segmento com preço de combate

Marca que tem vindo a atravessar um enorme período de transformação ao longo dos anos, o caminho da Hyundai tem sido ascendente e nem a pandemia travou as suas aspirações. No mercado nacional, a marca sul-coreana foi a que demonstrou a maior resiliência face às dificuldades da crise provocada pela Covid-19. Num mercado que caiu mais de 35% entre janeiro e novembro de 2020, a Hyundai perdeu ‘apenas’ 16,9% face a igual período de 2019. Muita dessa resistência deveu-se à gama de automóveis bastante atual, uma vez que conta com uma das famílias mais recentes do mercado. Aliás, a marca terá, no final do primeiro trimestre de 2021, uma gama em que o seu carro mais velho terá… 18 meses desde o lançamento.

No caso do Hyundai i20 (que já vendeu mais de 11 mil unidades desde o lançamento da primeira geração, cerca de 23% do volume de vendas da marca), respira-se confiança, esbanjando modernidade na estreia da linguagem de design ‘Sensuous Sportiness’, algo como ‘sensualidade desportiva’, numa tradução livre. O i20 é apontado ao topo do seu segmento, com a Hyundai a basear este novo i20 em quatro parâmetros-chave: o design, a conectividade (com ecrã central de 8.0” e painel de instrumentos de 10.25”), segurança e a garantia de sete anos.

Uma ideia de visual mais agressivo e com formato compacto, demarcando-se pela dianteira forte com faróis com tecnologia LED já disponível, por exemplo, a par de jantes que variam entre 16 e 17 polegadas. No interior, além dos dois ecrãs já apresentados em cima, há elementos em destaque como os novos bancos, com maior qualidade e conforto, ou o volante de quatro braços com design muito moderno. O espaço a bordo também foi melhorado, de acordo com a Hyundai. Os sistemas Android Auto e Apple CarPlay passam a ter possibilidade de conectividade sem fios, numa adição importante.

Quanto a dimensões, o novo i20 está mais baixo (menos 24 mm), mais largo (mais 30 mm), mais longo (mais 5 mm) e mais amplo na distância entre eixos (mais 10 mm). O espaço da bagageira foi aumentado em mais 25 litros, oferecendo agora um total de 351 litros

Motorização eletrificada vítima da fiscalidade

Comprovando a ideia de que a mais recente lei de fiscalidade aprovada pelo Orçamento do Estado para 2021 vai dar um passo atrás na disseminação dos modelos eletrificados, sobretudo nas gamas mais baixas, o i20 não terá em Portugal a variante de motor eletrificada por intermédio de sistema mild hybrid de 48V (com a caixa manual inteligente iMT), uma vez que o seu enquadramento seria mais penalizador em termos de posicionamento.

Dessa forma, a gama terá apenas dois motores, ambos a gasolina, um atmosférico e um sobrealimentado. Na base da gama estará o 1.2 MPI de quatro cilindros para a versão Comfort com 84 CV de potência e caixa manual de cinco velocidades, que foi bastante melhorado em termos de eficiência. O mesmo se aplica à versão turbo 1.0 T-GDI de três cilindros com 100 CV e possibilidade de associação a caixa manual de seis velocidades ou automática de dupla embraiagem de sete velocidades (7DCT).

Os consumos e emissões de CO2 variam entre os 5,3 l/100 km e 120 g/km, respetivamente, da versão 1.2 MPi Comfort e os 5,4 l/100 km e 125 g/km, respetivamente, da versão 1.0 T-GDI no nível de equipamento mais elevado Style Plus.

21 de dezembro de 2020

Fonte: motor24.pt
Mais artigos