Mercedes-EQA: Mais de 400 km de autonomia para o primeiro compacto elétrico

Um indicador de uma nova era para a Mercedes-EQ. Tirando partido da plataforma de veículos compactos MFA, cuja adaptabilidade para a eletrificação foi pensada desde o início, o EQA é o primeiro dos modelos da gama compacta a receber uma motorização 100% elétrica, indo ao encontro daquilo que o mercado ‘pede’ – veículos de estilo SUV.

Se o concept apresentado há alguns anos apontava para um modelo compacto ao estilo do Classe A, os responsáveis da marca entenderam que o GLA oferecia características mais apropriadas ao acolhimento das baterias, sem mexer no espaço interior, que foi um dos objetivos da Mercedes-Benz ao longo do desenvolvimento.

Para este modelo elétrico mantém-se, no entanto, a pose dinâmica, partilhando o formato com o GLA, embora com distinções bem evidentes, como é o caso da grelha dianteira ou dos farolins traseiros. Na versão agora apresentada, a EQA 250, a marca aponta um consumo energético de 17.7 kWh/100 km em ciclo WLTP, o que graças à bateria de 66.5 kWh permite uma autonomia de 426 quilómetros, usando o mesmo ciclo. Utilizando o anterior ciclo NEDC, o consumo médio é de 15.7 kWh/100 km e a autonomia é de 486 quilómetros.

A potência total desta versão é de 140 kW (190 CV) para um binário máximo de 375 Nm, embora nos planos da marca estejam já outras variantes já planeadas, um com uma autonomia superior aos 500 quilómetros e outra com uma potência superior a 200 kW (272 CV), incluindo também tração integral com dois motores elétricos. De acordo com a Mercedes-EQ, o aumento da autonomia terá de ser conseguido através de ganhos na eficiência e não no tamanho ou capacidade das baterias, o que implicaria um aumento de peso.

No caso do EQA 250, a aceleração dos zero aos 100 km/h cumpre-se em 8,9 segundos para uma velocidade máxima limitada de 160 km/h.

A bateria de iões de lítio (de dois patamares) tem um peso de cerca de 500 kg, estando integrada diretamente no chassis, pelo que funciona como um elemento estrutural do veículo. Além da elevada segurança, com uma espécie de ‘escudo’ de proteção que a protege em caso de acidente. A sua integração na estrutura do EQA permite que a sua funcionalidade não saia grandemente comprometida em termos de habitabilidade e bagageira, com uma capacidade de 340 a 1320 litros. A suspensão recorre a esquema multi-link atrás, podendo receber também sistema de amortecimento adaptativo.

Navegação inteligente para ajudar

Entre os pontos de destaque tecnológicos, o novo EQA estreia um sistema de navegação inteligente, denominado ‘Electric Intelligence’, que permite escolher a rota a percorrer a partir dos parâmetros de tempo de viagem com os tempos de carregamento previstos, de forma a reduzir o stress do condutor. Na base destas simulações contínuas, o sistema tem em conta as diferentes necessidades de carregamento com recurso a elementos como a topografia ou estado do clima. O sistema pode ainda reagir de forma dinâmica em casos de trânsito intenso ou no estilo pessoal de condução.

A carroçaria sofreu uma otimização aerodinâmica para baixar o atrito e a resistência ao vento, melhorando por isso a eficiência. A análise em túnel de vento aponta para um valor de 0.28 Cx, destacando-se elementos como a área frontal fechada para o controlo do arrefecimento, a par da cobertura do fundo da carroçaria a que se juntam ainda as jantes Aero e adaptadas.

A grelha do radiador recebe o ‘tratamento’ clássico dos EQ, ou seja, com um painel preto, a que se junta ainda uma linha luminosa na frente e na traseira, assinalando o universo elétricos da Mercedes-EQ. Os grupos óticos têm um tratamento de alta qualidade e de elevada precisão, com faixas azuis bastante finas.

O sistema de gestão térmica recorre a uma bomba de calor, considerada mais eficiente no aquecimento do habitáculo e limitando a drenagem da energia da bateria para funções de arrefecimento. É possível também aceder a uma função de pré-climatização do interior remotamente pela aplicação Mercedes me ou diretamente no sistema MBUX do veículo.

Carregamento eficiente

Com um carregador de bordo de série de 11 kW, o novo EQA foi pensado para facilitar os processos de carregamento diários, garantido também pelo sistema de navegação inteligente. Numa ‘wallbox’ o carregamento leva cerca de 5h45 dos 10% aos 100%, enquanto o carregamento rápido está limitado a 100 kW, o que permite obter uma carga de 10% a 80% em cerca de meia hora

Segurança e equipamento

Houve ainda grande esforço em matéria de reforço de insonorização e de isolamento face às vibrações exteriores, enquanto na matéria de segurança, todos os componentes elétricos beneficiam de medidas adicionais, como o ‘escudo’ de proteção para a bateria. Noutro campo, há ainda uma série de sistemas de assistência à condução, como o Active Lane Keeping Assist ou o Active Brake Assist, com o primeiro a ajudar a manter o carro na sua faixa de rodagem e o segundo a travar de forma autónoma em situação de colisão iminente. Outras funções melhoradas do pacote de assistentes de segurança incluem a tecnologia de ajuda à mudança de direção, função de corredor de emergência ou alerta de perigo ao sair do veículo face à aproximação de peões ou ciclistas.

De série, o equipamento do EQA inclui luzes LED High Performance com comutação de máximos automática, porta da bagageira elétrica, jantes de 18 polegadas, iluminação ambiente interior com 64 opções de cores, bancos luxuosos com ajuste lombar de quatro vias, câmara traseira, volante desportivo multifunções em pele e o sistema MBUX com o sistema de navegação inteligente. O novo modelo pode ser personalizado com as linhas de equipamento Electric Art e AMG Line.

A produção do EQA terá lugar nas fábricas de Rastatt (Alemanha) e de Pequim (China), prevendo-se a sua chegada ao mercado na viragem do primeiro para o segundo semestre. O preço na Alemanha é de 47.540€, sendo de esperar que fique em linha com este valor também no mercado nacional. Ao EQA seguir-se-á o EQB, uma variante semelhante à GLB, para continuar na mesma linha de ideias da partilha de ideais entre o GLA e o EQA.

25 de janeiro de 2021

Fonte: motor24.pt
Mais artigos