Novo Porsche 911 GT3: Inspirado nas pistas para as estradas do dia-a-dia

Com um legado impressionante nas competições automóveis, a Porsche volta a colocar num modelo de produção em série todos os seus conhecimentos técnicos, com a mais recente geração do 911 GT3 – a sétima – a diluir ainda mais os mundos da competição e da utilização em estradas públicas, o que é visível não só pelas soluções aerodinâmicas adotadas, mas também pela vertente técnica oculta aos olhos.

Um desses exemplos, aponta a marca, é a configuração do eixo dianteiro com triângulos sobrepostos, a que se juntam ainda elementos como o sistema de travagem reforçado e o escape desportivo. Por fora, a aerodinâmica revela a sua proveniência: a asa traseira de estilo ‘pescoço de ganso’ e o difusor traseiro de generosas dimensões são originários do 911 RSR, modelo que compete ao mais alto nível em competições de resistência.

Por outro lado, o motor ‘boxer’ de seis cilindros e quatro litros, capaz de debitar 510 CV de potência e 470 Nm de binário máximo, é também baseado no conjunto motriz do 911 GT3 R, testado em provas de resistência, sendo utilizado praticamente sem alterações no novo 911 GT3 Cup, apresentado recentemente.

Caixa manual para os puristas

Apesar de apostar na eficiência da condução, a Porsche não esqueceu os seus adeptos amantes da caixa manual, sendo das poucas marcas que ainda resiste à ‘ditadura’ das caixas automáticas. Assim, o novo 911 GT3 pode ser equipado com uma caixa manual de seis velocidades a par da automática – a impressionante PDK –, dando assim uma duplicidade de opções aos seus potenciais clientes.

As prestações variam ligeiramente consoante a escolha de transmissão. O Porsche 911 GT3 com caixa automática é mais rápida a acelerar dos zero aos 100 km/h, cumprindo esse exercício em apenas 3,4 segundos, contra os 3,9 segundos registados no 911 GT3 de caixa manual. A velocidade máxima é de 318 km/h no GT3 PDK e de 320 km/h no GT3 manual.

Quanto a consumos e emissões, a versão com caixa automática apresenta valores de 12,4 l/100 km e 283 g/km de CO2, respetivamente, comparando-se com os 13,3 l/100 km e 304 g/km de CO2 do 911 GT3 de caixa manual.

Luta contra o vento

As soluções aerodinâmicas são diretamente inspiradas no desporto automóvel, procurando criar maior carga sem afetar o coeficiente de arrasto em reta. Não é descabido assumir que o desenho do 911 GT3 exibe os reflexos de uma luta contra o vento, oferecendo uma sensação de agressividade e rapidez, mesmo quando parado.

Na dianteira, além do ‘spoiler inferior’, há aberturas de ar de dimensões generosas para canalizar o ar de forma precisa através dos travões dianteiros e radiadores. Esse fluxo de ar é depois levado através do radiador em posição central através de uma nova peça de duas saídas no capot de baixo peso. Os cálculos precisos feitos pela Porsche para a secção dianteira permitem que as necessidades de refrigeração sejam cumpridas, sem provocar o levantamento do eixo dianteiro a altas velocidades. Atrás das rodas dianteiras há mais elementos aerodinâmicos que guiam o fluxo de ar pela carrorçaria, ao passo que na traseira o difusor de grandes dimensões tem um papel importante no trabalho de aderência à pista, com o fluxo de ar a fazer com que o 911 GT3 fique ‘colado’ ao chão. O fundo do veículo é também coberto para otimização aerodinâmica.

22 de fevereiro de 2021

Fonte: motor24.pt
Mais artigos