Volkswagen ID. Life antecipa crossover elétrico de 20 mil euros em 2025

Volkswagen ID. Life quer-nos mostrar não só como poderá ser o futuro crossover elétrico ID.2, como quer ser um passo decisivo na democratização do veículo elétrico.

Prometido está um preço entre os 20 mil e os 25 mil euros quando for lançado em 2025. Se parece ainda algo elevado tendo em conta o segmento do mercado que vai ocupar, é uma clara descida em relação aos elétricos da sua classe hoje em dia, com preços na casa dos 30 mil euros.

O ID. Life apresenta-se com dimensões similares à do T-Cross. Tem 4,09 m de comprimento, 1,845 m de largura, 1,599 m de altura e 2,65 m de distância entre eixos, respetivamente, 20 mm mais curto, 63 mm mais largo, 41 mm mais alto, mas com os eixos separados em mais 87 mm que o T-Cross.

Depois do CUPRA UrbanRebel, o Volkswagen ID. Life é o segundo modelo a recorrer à nova MEB Small, a variante mais curta da plataforma específica para elétricos do Grupo Volkswagen.

Comparando com o ID.3, até agora o modelo mais compacto a fazer uso da MEB, o ID. Life tem uma distância entre eixos reduzida em 121 mm e é 151 mm mais curto do que este, apesar de ser 36 mm mais largo (talvez por ser um concept e há que causar uma boa primeira impressão).

Outro dado curioso é que o ID. Life é também o primeiro modelo derivado da MEB a ter apenas tração dianteira (motor também está montado na frente) — todos os outros ou têm tração traseira ou tração às quatro rodas (e dois motores). Uma demonstração da flexibilidade da MEB que permite optar pela configuração mais adequada às necessidades de cada modelo.

Apesar de querer mostrar uma visão mais simples, com níveis reduzidos de complexidade e muito focado sustentabilidade, do que deve ser um crossover elétrico de orientação urbana, o ID. Life monta no eixo dianteiro um potente motor elétrico de 172 kW ou 234 cv e 290 Nm de binário máximo — números dignos de um pequeno hot hatch. Potência que permite, declara a Volkswagen, atingir os 100 km/h em apenas 6,9s e atingir os 180 km/h de velocidade máxima (eletronicamente limitada).

O protótipo está equipado com uma bateria de 57 kWh o que deverá permitir um alcance de até 400 km de acordo com o ciclo WLTP. Apesar de não indicar qual a potência máxima de carregamento, a Volkswagen diz que bastam 10 minutos para adicionar até 163 km de autonomia num posto de carregamento de alta velocidade. 

O Volkswagen ID. Life distingue-se dos restantes membros da família ID. pelo seu design. Não é o primeiro crossover da família — já conhecemos o ID.4, por exemplo —, mas o contraste não podia ser maior quando olhamos para o concept. O ID.Life reduz e simplifica os volumes, as formas e elementos estilísticos, resultando num crossover de aspeto depurado e mais… “quadradão”, sem ceder às tentações decorativas. Porém aparenta robustez, como se quer neste tipo de veículos. Tal impressão é dada pelas rodas de grande dimensão (20″) “empurradas” para os cantos da carroçaria; os guarda-lamas trapezoidais, delineados e sobressaídos da restante carroçaria; e pelo ombro traseiro mais saliente. Não podia deixar de faltar um robusto pilar C, de forte inclinação, a lembrar o do incontornável Golf. As proporções acabam por ser algo bastante familiares — um típico dois volumes de cinco portas —, e os elementos mais gráficos, como as óticas dianteiras e traseiras, são minimalistas, mas o resultado final é apelativo e uma lufada de ar fresco em relação à complexidade e agressividade que marca tanto o design automóvel hoje em dia.

Interior minimalista

Por dentro não é diferente. O tema da redução, minimalismo e sustentabilidade — o recurso a materiais reciclados e recicláveis é uma das principais características do ID. Life — é omnipresente. O tabliê destaca-se pela ausência de comandos ou… ecrãs. As informações necessárias à condução são projetadas no para-brisas, com um head-up display e é no volante hexagonal e aberto em cima que estão a maioria dos comandos, até o seletor de marcha. O ID. Life usa ainda o nosso smartphone como sistema de infoentretenimento e para controlo de funcionalidades como a navegação e comunicação e fica “preso” ao tabliê via o uso de um imã. A digitalização serve também o propósito da simplificação. Podemos ver comandos projetados sobre a superfície em madeira, não há retrovisores (existem câmaras no seu lugar) e até o acesso ao veículo é efetuado através de uma câmara e software de reconhecimento facial. O interior pode ainda ser convertido num lounge para ver filmes ou jogar, graças à flexibilidade dos assentos, assim como à presença de um ecrã de projeção retrátil na frente do tabliê.

Sustentabilidade na ordem do dia

Como referimos, a sustentabilidade é um tema forte no Volkswagen ID. Life.

Os painéis da carroçaria usam lascas de madeira como um corante natural, o teto removível tem uma câmara de ar têxtil que é feita de PET reciclado (o mesmo plástico de garrafas de água ou refrigerantes) e nos pneus são usados materiais como óleos biológicos, borracha natural e casca de arroz. Ainda na temática dos pneus, restos triturados destes são usados como tinta aborrachada na área de entrada do veículo.

17 de setembro de 2021

Fonte: Razaoautomovel.com
Mais artigos