Após o GP de Aragão, Miguel Oliveira e a KTM Ajo estiveram no circuito de Motorland para dois dias de testes com vista a preparar o final da temporada, quando faltam disputar cinco corridas e começar já a preparar a época de 2019.

A próxima temporada de Moto2 vai ter como novidade os novos motores Triumph que vão substituir os Honda que equipam as motos da categoria intermédia do mundial.

Miguel Oliveira e o seu companheiro de equipa, Brad Binder, aproveitaram para rodar com o novo motor, numa moto que o piloto português não vai utilizar em 2019, já que vai ascender ao MotoGP no final da presente temporada.

Apesar de estar de malas feitas para a categoria rainha, Miguel Oliveira gostou das sensações da nova moto. “ Rodei com a moto de 2019 no segundo dia de testes, pela primeira vez, para dar o meu feedback à KTM e gostei bastante porque é muito rápida e divertida de pilotar”, sublinhou o piloto português.

Quanto ao trabalho realizado nestes dois dias de testes tendo em vista a reta final da temporada e numa altura em que Miguel Oliveira ocupa o segundo lugar do campeonato de Moto2  a 19 pontos do líder, o piloto português não escondeu que continuou a melhorar a aderência da roda traseira que continua a ser a maior dor de cabeça.

“No primeiro dia de testes em Aragão tivemos alguns problemas já que esteve muito vento e encontrámos muita poeira na pista. Por isso ficámos apenas com meio dia para testar, o que nos impediu de trabalhar em tudo aquilo que pretendíamos. Assim não fomos tão rápidos como queríamos devido às condições da pista e nas voltas que realizámos estivemos concentrados conseguir encontrar uma maior aderência da roda traseira”.

Fonte:
Tvi24.iol.pt