Auto Gouveia

NVIDIA e Audi em parceria

Imagem1

A partir de 2010 todos os sistemas de infotainment e navegação da Audi passaram a recorrer a unidades de processamento gráfico da NVIDIA. A parceria entre as duas empresas permitiu já alcançar diversos avanços no mundo automóvel.


Desde o cockpit virtual, passando pelos sistemas de infotainment até à tecnologia que permite carros com autonomia de nível 3, a parceria entre a Audi e a NVIDIA é praticamente uma incubadora de novas ideias.

Os primeiros resultados da parceria

Criada em 2010, os primeiros resultados da parceria entre a NVIDIA e a Audi foram a aplicação de processadores do gigante tecnológico nos sistemas de infotainment dos modelos da marca alemã. Assim, os primeiros resultados da parceria surgiram com o sistema 3G MMI que recorria a processadores da NVIDIA que permitiam criar imagens 3D no sistema de navegação.

O recurso a esta tecnologia permitia criar uma dual zone no sistema de entretenimento, que permitia que dois vídeos fossem vistos em simultâneo em ecrãs diferentes. No início da parceria, a NVIDIA  desenvolveu ainda em conjunto com a Audi o sistema multimédia “Vibrante”, que servia como base do sistema 3G MMI. Este permitia aos passageiros ver um DVD, ouvir música proveniente de um iPod, CD, microSD, pen ou até ver vídeos online


 

Mas a grande novidade que os primeiros tempos da parceria trouxeram foi a possibilidade de instalar o Google Maps no sistema 3G MMI no Audi A8 lançado em 2011. Graças ao recurso aos processadores da NVIDIA, o Audi A8 foi o primeiro modelo de produção a contar com o Google Earth no seu sistema de navegação.

Mas já naquela altura o foco do uso da tecnologia no automóvel era a segurança, com o presidente e diretor executivo da marca a afirmar à data que “o principal foco da computorização automóvel é a segurança”. Sendo que o recurso aos então novos processadores Tegra, permitia já a colocação de câmaras no interior e exterior do veículo para monitorizar o condutor, a estrada e dar feedbackem tempo real para assegurar uma maior segurança.

Os desafios da criação de um cockpit virtual

Outro dos resultados da parceria entre a NVIDIA e a Audi foi a criação de um cockpit virtual. É que se hoje já quase que nos habituámos a ver carros com um cockpit virtual, até há relativamente pouco tempo o recurso a um cockpit que abdicasse das tradicionais “agulhas” e sistemas analógicos era quase ficção científica.

A criação do cockpit virtual da Audi em 2014 foi conseguida graças ao recurso ao know-how da NVIDIA e às tecnologias por ela desenvolvidas. Um dos maiores desafios da criação de um cockpitvirtual passa por obter uma latência igual a zero.

Graças ao recurso ao processador Tegra 3 da NVIDIA a Audi conseguiu eliminar o delay existente entre o momento em que se liga o carro e o momento em que o painel de instrumentos se ligava.Assim, o cockpit liga-se em duas fases: primeiro com um modo onde apenas surgem as funções críticas do carro e com o resto do ecrã apagado; depois, numa fração de segundo, o ecrã liga-se na sua totalidade.

O primeiro modelo da Audi a contar com esta tecnologia foi o Audi TT, em 2014 e desde então vários outros modelos da marca têm vindo a usufruir dos benefícios do cockpit virtual. Entre os benefícios do recurso a esta tecnologia encontra-se a possibilidade de ao simples toque de um botão se poder passar de um display único, com um mapa que ocupa as 12,3″ do ecrã do sistema de navegação, para um mais tradicional display duplo com um conta-rotações à esquerda e o velocímetro à direita.


Com um cockpit virtual torna-se mais fácil para o condutor compreender de imediato a velocidade a que circula ou outra qualquer informação, ao contrário do que acontecia com os sistemas analógicos. Para além disso, este sistema permite ao condutor configurar o cockpit de acordo com o seu gosto ou necessidades, sendo ainda possível alterá-lo facilmente para qualquer idioma.

Se dúvidas houvessem em relação à eficácia do cockpit virtual, estas ficaram dissipadas assim que os membros da imprensa especializada começaram a elogiar a qualidade e facilidade de utilização deste sistema.

Hoje o cockpit virtual está mais democratizado, mas ainda assim a parceria entre a Audi e a NVIDIA permite que a marca dos quatro anéis conte com alguns dos melhores gráficos no mercado, beneficiando da experiência da NVIDIA.

Aliar a tecnologia à experiência de comprar um carro

A parceria entre a Audi e a NVIDIA foi além da tecnologia aplicada aos automóveis. Assim, a Audi aproveitou o know-how da NVIDIA para tentar revolucionar a experiência da visita a um concessionário.

Aproveitando os avanços na tecnologia de realidade virtual a Audi decidiu apostar nesta tecnologia para proporcionar uma experiência diferente a quem pretende comprar um Audi. O recurso a esta tecnologia teve início em 2012, no entanto, ao início, o uso da realidade virtual não foi fácil devido à fase de desenvolvimento da tecnologia não permitir uma experiência realista.



 

Entretanto, graças à parceria com a NVIDIA e ao avanço da tecnologia de realidade virtual (as frame rate melhoraram cerca de 50 por segundo para as 90, e a latência passou dos 45 milissegundos para apenas 20) entre 2012 e 2016, a Audi conseguiu pôr de pé um projeto piloto que permitia ao comprador de um Audi ver o carro num cenário de realidade virtual (configurando-o e até podendo vê-lo em raio-x).

E porquê esta aposta? Nas palavras de Thomas Zuchtriegel, responsável pela aplicação dos sistemas AR/VR na Audi, em 2016, “Quando os clientes vão ao stand essa tem de ser uma experiência emocionante e excitante”.

Quais são os novos modelos equipados com esta tecnologia?

Para além do novo Audi A8, também os novos Audi Q8, Audi A7 e Audi A6 contam com os préstimos da NVIDIA. Na Audi, todo o segmento C e D já conta com esta tecnologia.


Mas a aplicação da tecnologia da NVIDIA não se faz sentir apenas ao nível da condução autónoma. Equipados com o novo sistema de infotainment MIB+ (que recorre à tecnologia da NVIDIA), Audi A8, Q8 e A6 contam com dois ecrãs táteis no tablier e um cockpit virtual de segunda geração.

Também nos bancos traseiros se encontra tecnologia da NVIDIA, com os tablets da Audi e o display de controlo aí presentes a recorrerem a tecnologias desenvolvidas pelo gigante dos videojogos.

No entanto, os mais recentes avanços alcançados pela parceria entre a NVIDIA e a Audi não se ficam pela tecnologia aplicada no novo A8. Ainda em julho deste ano, no Audi Summit em Barcelona, foi possível ver a visão da marca alemã para o futuro não só do automóvel como da mobilidade.




A Audi mostrou como prevê aplicar soluções tecnológicas não só aos sistemas de infotainment ou de condução autónoma mas também à inteligência artificial (AI) ou às fábricas do futuro.

A marca dos quatro anéis pretende aplicar tecnologias digitais a todo o seu modelo de negócio, desde a produção até à logística, passando pelo marketing e pelos novos produtos. Uma prova de que esta parceria com a NVIDIA, abrange muito mais do que apenas a produção de tecnologias para os automóveis da Audi.

Fonte: Razão Automóvel

17-12-2018

Filtros de Pesquisa